A importância das Atividades com Crianças

A prática de atividades é sempre benéfica para o corpo humano. Sejam elas físicas ou lúdicas, o organismo é estimulado de diversas formas diferentes, proporcionando melhor saúde física e mental. Algumas são tão especiais que acabam tornando-se rotina no cotidiano de seus praticantes, como atletas, músicos, bailarinos, esportistas e afins. Por isso, é essencial estimular seu pequeno ou pequena desde cedo à pratica de alguma atividade.

Benefícios das Atividades Lúdicas

 

– Aula de violão: aprender um instrumento, qualquer que ele seja, é excelente para qualquer pessoa. Se iniciadas quando criança, além de estimularem a criatividade e o raciocínio lógico, aulas de violão trazem uma sensação de felicidade e bem-estar, além de aumentarem significantemente a autoestima.

– Aula de pintura: outra excelente atividade para estimular a criatividade, as expressões e o raciocínio lógico das crianças. Desenhar e/ou pintar podem ser grandes aliados no combate à depressão infantil;

– Teatro: nenhuma atividade proporciona tão bem um autoconhecimento quanto o teatro. Atuar é muito benéfico para qualquer pessoa, pois estimula o raciocínio, a criatividade, a sociabilidade e as interações e expressões pessoais.

Benefícios das Atividades Físicas

– Futebol: um esporte completo que envolve raciocínio, coordenação motora, criatividade e desenvolve os músculos do corpo todo (principalmente os inferiores);

 

– Natação: modalidade mais completa que existe, abrange todos os músculos do corpo e estimula o crescimento. Além disso, é extremamente benéfica para o sistema cardiovascular e para o metabolismo;

– Ballet: esta atividade trabalha o desenvolvimento de todos os músculos do corpo, proporciona um grande bem-estar, aumenta a flexibilidade e o sistema imunológico e proporciona uma postura perfeita.

O lúdico e a alfabetização: a importância das atividades lúdicas nas práticas educativas do ensino infantil

 

O brincar é uma atividade espontânea e natural da criança e é benéfico por estar centrado no prazer, desperta emoções e sensações de bem estar, libertar das angustias e funciona como escape para emoções negativas ajudando a criança a lidar com esses sentimentos que fazem parte da vida cotidiana. Brincando a criança aprende a lidar com o mundo e forma sua personalidade e experimenta sentimentos básicos como o amor e o medo.

A brincadeira tem sido comumente apontada como espaço privilegiado do desenvolvimento da criança. Deste modo, considera-se que ela deve ocupar lugar de destaque na educação infantil. Porém, na realidade o que muitas vezes acontece e que acaba cedendo espaço para outras atividades pelo educador como sendo mais importantes do ponto de vista pedagógico.

Bem sabemos o quanto é difícil ser educador no mundo contemporâneo. Muitos educadores estão marcados pela ansiedade, pelo medo, pela desvalorização da profissão, pelo baixo-sálario, alunos desinteressados e não respectivos a aprendizagem, onde não se interessam pelo aprendizado de uma forma em geral.

O aluno não se sente motivado em aprender, não considera interessante mais o livro didático, a lousa e o caderno. Cada vez mais cedo as crianças entram em contato com os recursos tecnológicos, passando horas sentadas a frente do videogame, da televisão e do computador.

Sabe-se que o computador é um instrumento de aprendizagem e um ótimo recurso pedagógico e se utilizado adequadamente passa a ser um instrumento eficaz e auxiliador na educação. Mas é preciso enfatizar a importância de brincar e criar para criança.

Atualmente as crianças possuem tanto compromisso como balé, capoeira, natação, aula de computação, de inglês, de música, espanhol, onde não sobra tempo para ser criança e brincar. E nesse ritmo de atribuir muitas responsabilidades cedo demais para as crianças, vai-se imprimindo nelas uma carga de responsabilidades que ocasionará possivelmente o stress.

Por isso que atualmente, vemos tantas crianças com dificuldades de aprendizagem e de assimilar o conteúdo transmitido, com problemas emocionais, não brincam, não conseguem ser criativas e apresentam "mau comportamento" em sala de aula.

A educação por sua vez esta em constante aperfeiçoamento buscando subsídios para tornar o ato de aprender prazeroso e significativo. E a busca por novas metodologias para melhorar o resultado do ensino-aprendizagem inquieta muitos educadores pelo fato de verem tantos alunos desinteressados em sala de aula.

Muitos projetos, tantas teorias, busca por uma metodologia melhor e mais adequada, umas que são criadas e outras que são renovadas e mesmo assim os professores continuam insatisfeitos com os resultados e os alunos não se sentem atraídos pela aprendizagem.

Nesse contexto entra a ludicidade, que pode contribuir de forma significativa para o desenvolvimento do ser humano, facilitando no processo de socialização, de comunicação, de expressão, na construção do pensamento, além de auxiliar na aprendizagem.

 

Vygostsky atribui importante papel do ato de brincar na constituição do pensamento infantil. Segundo ele, através da brincadeira o educando reproduz o discurso externo e o internaliza, construindo seu pensamento. "A brincadeira e a aprendizagem não podem ser consideradas como ações com objetivos distintos. O jogo e a brincadeira são por si só, uma situação de aprendizagem. As regras e a imaginação favorecem a criança comportamento alem dos habituais. Nos jogos e brincadeiras a criança age como se fosse maior que a realidade, é isto inegavelmente contribui de forma intensa e especial para o seu desenvolvimento. (QUEIROS, MARTINS apud VYGOSTSKY, 2002, p.6.)

Os alunos de hoje desejam uma educação prazerosa e significativa. Sendo muitas vezes mais interessantes para eles ficarem sentados horas a frente da televisão, do videogame e do computador. Com isso, trazem para sala de aula essa frustração e a desmotivação.

Como o eixo epistemológico do construtivismo defende a aprendizagem dinâmica e prazerosa, desta forma porque não aproveitar as atividades lúdicas como ferramenta de aprendizagem.

 

Winnicott (2008) enfatiza a importância de brincar e de criar para a criança, principalmente nos primeiros anos de vida na construção da identidade pessoal. Para ele a escola tem por obrigação ajudar a criança completar a transição do modo mais agradável possível, respeitando o direito de devanear, imaginar, brincar.

Para muitos o brincar é tidos como mero passatempo, mas são atividades fundamentais para a construção de conhecimentos sobre o mundo.

O lúdico é uma linguagem natural da criança, por isso torna-se importante sua presença na escola desde a educação infantil.

Através da brincadeira as crianças recriam, repensam, imitam, experimentam os acontecimentos que lhes deram origem. Favorecendo a auto-estima, auxiliando no processo de interação com si mesmo e com o outro, desenvolvem a imaginação, a criatividade, a capacidade motora e o raciocínio.

Segundo Chateau não é possível que se pense em infância sem pensar em brincadeiras e o prazer que as acompanham. Uma criança que em sua infância é privada do brincar futuramente poderá se tornar um adulto com dificuldades para pensar (CHATEAU, 1987).

Como sentido da vida de uma criança é o brincar, as brincadeiras e os jogos podem e devem ser utilizados como ferramenta importante na educação.

Seria um equivoco dizer que o lúdico na aprendizagem por si só irá sanar os problemas de aprendizagem, emocionais e de mau comportamento na educação, a intenção é mostrar que é um meio de auxiliar a aprendizagem, servindo como subsidio importante para se transmitir os conteúdos conceituais, procedimentais e atitudiais. De acordo com Martins (2002), "se a vida é um jogo e o jogo pode se transformar em brincadeira, por que não viver brincando e aprender com a brincadeira?""

Atividade física para crianças: qual a importância?

 

Além de promover maior desenvolvimento motor, a atividade física na infância aumenta o desenvolvimento cognitivo.

O esporte trabalha a socialização e a liderança. A criança se desenvolve para o futuro, brincando, aprendendo e assimilando melhor os movimentos.

Com a realização dos movimentos básicos de correr, saltar, chutar, empurrar ou agarrar em forma de brincadeira, durante as atividades esportivas, a criança acaba escolhendo involuntariamente o que ela gosta, seja uma modalidade individual ou coletiva.

A importância da atividade física para crianças

Segundo pesquisas, o Brasil possui mais de 2 milhões de casos de obesidade infantil por ano. Esse é um problema que não vem acompanhado somente do sobrepeso, mas também pode causar diabetes, pressão alta e níveis elevados de colesterol. Já imaginou o quão grave é uma criança possuir esse monte de problema visto como “coisa de adulto”?

Em um mundo onde tecnologia tem sido evidenciada em detrimento das antigas brincadeiras – aquelas que colocavam os pequenos para se movimentarem -, temos o papel fundamental de incentivar nossas crianças a abandonarem o sedentarismo para terem uma infância muito mais plena, feliz e bem desenvolvida.

Para isso, entender a importância da atividade física para crianças é essencial. É através da atividade física que as crianças se mantém saudáveis, têm crescimento adequado e desenvolvem melhor suas capacidades motoras e cognitivas.

Mais importante que manter as crianças em movimento é despertar nelas o interesse pelas atividades físicas. Se um bom hábito se instala desde muito cedo, dificilmente se perderá ao longo dos anos – e, assim, vai acompanhar a criança até sua vida adulta.