A Importância do Lúdico na Educação Infantil.

O brincar e o lúdico são muito importantes na Educação Infantil, pois é através deles que a criança se desenvolve e se descobri ela supera as suas dificuldades e assim tem um bom relacionamento com o mundo que o cerca. Então, a ludicidade pode ser usada como instrumento da aprendizagem tornando o estudo mais prazeroso despertando o inter Mas hoje em dia a crianças não tem contato com o mundo lúdico por falta de oferta das escolas durante a rotina e ainda a falta da presença dos pais durante a brincadeira de seus filhos. Com isso surge a preocupação dos educadores em relação a aprendizagem das crianças, por falta das atividades lúdicas e dos ambientes disponíveis.

É necessário que o educador estabeleça seus objetivos fazendo com que o a brincadeira se torne um caráter pedagógico e ainda deve conhecer as suas crianças para poder escolher as atividades que as interessem, utilizando materiais lúdicos e que sejam desafiadores.

Sendo assim, em elação ao uso de jogos e brincadeiras na Educação Infantil, é fundamental o papel do professor em fazer uso de brincadeiras amplas e diversificadas, que possam interagir entre as crianças para que assim, ocorra o processo de desenvolvimento, levando a mesma para o mundo da imaginação, tornando assim a brincadeira mais prazerosa e divertida.

A Criança e a Brincadeira Lúdica

O brincar deposita emoções e sensações de bem estar liberando as angustias e emoções ruins, fazendo com que a criança entenda os sentimentos negativos que encontrar no seu dia a dia infantil.

É preciso abrir os olhos e compreender que brincar para a criança pode ser mais que uma atividade diária, pode ser uma fonte do saber aliado ao seu desenvolvimento, pois a criança enquanto brinca com o faz de conta imagina se liberta, supera seus medos, aprende a controlar sua agressividade, explora o mundo, organiza seus pensamentos e sentimentos.

A liberdade que o brincar transmite é muito importante para a criança durante o seu desenvolvimento, liberdade essa, que faz com que a criança perceba a diferença entre o mundo real do imaginário.

É através da brincadeira que a criança aprende a lidar com o mundo, e desenvolver sua personalidade e autonomia, transmite sentimentos bons e ruins e a insegurança, sentimentos esses que irá encontrar na sua vida diária.

O brincar proporciona a aquisição de novos conhecimentos, desenvolve habilidades de forma natural e agradável. Ele é uma das necessidades básicas da criança, é essencial para um bom desenvolvimento motor, social, emocional e cognitivo. (MALUF, 2003, p.9).

Quando a criança aprende brincando, o mundo do saber dela ficará ligado direto ao do prazer, fazendo com que haja uma facilidade maior de assimilar o conhecimento. Por isso é que devemos valorizar sempre a brincadeira lúdica na escola, pois para nossas crianças a principal atividade do dia é o brincar.

Assim o brincar permite que a criança vai construindo sua identidade perante a sociedade em que esta inserida,  além de proporcionar a diversão, a criação, interpretação e o relacionamento com outras crianças.

O brincar é muito mais do que apenas divertimento, é através dele que a criança compreende e se relaciona ao mundo em que vive ainda o brincar permite que a criança se estabeleça regras, resolução de problemas compreensão de novas ideias e ponto de vista. Disponibilizar brincadeiras em que as crianças consigam manifestar o seu mundo permite que o educador possa entender as diversas visões das crianças, ainda pode oportunizar a mesma a vivenciar da cultura, dos valores e conhecimento da realidade em que vive.

Assim, mostra-nos Macedo, Petty e Passos (2007, p.10):

A criança desenvolve brincadeiras e aprende jogos. Pode também aprender brincadeiras com seus pares ou cultura e, com isso, desenvolver habilidades, sentimentos ou pensamentos. O mesmo ocorre nos jogos: ao aprendê-los, desenvolvemos o respeito mútuo (modos de se relacionar entre iguais), o saber compartilhar uma tarefa ou um desafio em um contexto de regras e objetivos, a reciprocidade, as estratégias para o enfrentamento das situações-problema, os raciocínios.

Com isso, a criança que brinca, aprende mais, e o professor que se proponha trabalhar com o lúdico também aprende. É brincando que a criança da sentido ao seu mundo. O brincar poderá ser o reflexo da vida real de uma criança.

De acordo com o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (1988, p. 27) “a brincadeira é uma linguagem infantil que mantem vinculo essencial com aquilo que é ou não brincar”. A brincadeira em si, nada mais é do que o uso da imaginação. A criança usa uma linguagem simbólica para separar o mundo imaginário do mundo real.

A Importância do Lúdico na Educação Infantil de 4 a 6 Anos

O brincar nos primeiros anos de vida é o resultado que obtemos lá na frente quando a criança estiver na faixa etária de 4 a 6 anos. Com isso, se trabalharmos desde o inicio obteremos um bom progresso nas faixas etárias que estão em desenvolvimento.

No envolvimento com o outro não acontece somente trocas de opiniões e ideias diferentes, mas sim produzir, sonhar, inventar, interagir com os outros favorecendo a criação de interesses entre ambos.

O lúdico tem como importância no avanço da autonomia da criança contribuir para que ela demonstre esse progresso através de suas atividades. Nas brincadeiras as sensações e decisões tendem a se manifestar de forma natural, onde possibilita um desenvolvimento na criança, tanto físico quanto cognitivo. 

Na ludicidade todo o brincar é uma imitação da realidade anteriormente vivida. O brincar é essencial para a vida da criança e a brincadeira é uma linguagem infantil, é por meio deste que a criança constrói o seu espaço e estabelece ralações entre o mundo em que vive e a fantasia, podendo pensar, descobrir, viver e experimentar situações novas em seu cotidiano.

O lúdico é a forma mais espontânea onde a criança consegue entrar em contato com a realidade. Com as atividades lúdicas, a criança desenvolve a coordenação motora, a atenção, o movimento ritmado, conhecimento na posição do corpo, direção e outros. As brincadeiras, para a criança, envolvem atividades primarias que trazem benefícios ao ponto de vista físico, intelectual e social. O lúdico satisfaz as necessidades de crescimento e de competitividade da criança, tornando um beneficio físico.

Os jogos lúdicos bem como são usados, são a base fundamental para os exercícios que são propostos durante o período escolar. O brinquedo trás para a criança uma desinibição, produzindo uma excitação mental e altamente fortificada.

No lúdico existem situações que simbolizam uma realidade que a criança ainda não pode alcançar, portanto o lúdico é uma fonte de prazer e descoberta e ele desenvolve na criança autonomia, confiança, superação e o convívio em conjunto torna o pensamento crítico e em fim prepara-os para a vida.

Neste contexto:

A construção de regras se da, também, através dos jogos infantis, especialmente nas brincadeiras de faz-de-conta. Ao brincar as crianças de 2 a 6 anos buscam reproduzir padrões e comportamento que prevalecem em seu grupo social. Toda situação de faz-de-conta contem normas de condutas implícitas que levam a criança a assumir papeis sociais, ou seja, imitar alguém numa determinada situação (MACHADO, 2002 p. 70).

Na maioria das vezes, nos jogos as crianças se sujeitam a certas regras, se rejeitando na maneira em que agem por impulso e se contraria a forma de como agiria espontaneamente. Ao brincar, a criança se submete a novos papeis, julgando estes se são ou não adequados, com isso, acaba criando novas regras de conduta e também alguns valores que irão orientar o seu comportamento.

Deve-se lembrar de que cada criança tem sua fase e tempo de desenvolvimento para adquirir o conhecimento, é de suma importância entender que nesta faixa etária de 4 a 6 anos, a criança se encontra no estágio pré-operatório, é muito importante conhecer essa fase para conseguir, assim, educar as crianças de maneira correta, coerente e afetiva, a partir do conhecimento de como pensam e raciocinam.

A criança de quatro anos está na faze do pré-operatório, onde se destaca a busca de significado e símbolo, formando a inteligência de ações interiorizadas e mentais.

A criança mostra interesse nos relacionamentos com outras pessoas e com os colegas, nesta fase o lúdico é imprescindível na aprendizagem da criança, pelo seu caráter simbólico. Através do brincar se relaciona com outras, se posicionando diante de situações.

É a partir dos quatro anos que a brincadeira adquire um aspecto mais social, surgindo as brincadeiras com regras e que o combinado deve ser respeitado. Nesta fase durante a brincadeira a criança revela situações de muitas emoções e afetos.

A criança enquanto brinca, nesta fase, está organizando e conhecendo o mundo, busca o significado da sociedade que a cerca, e pode-se perceber a sua relação familiar, é través do brincar de faz de conta ou de imitação manipulando os brinquedos, os educadores constatam a violência, carência, angustia, em fim, diagnosticar problemas, sendo assim buscar soluções de grande valia para Educação Infantil. 

Na fase dos cinco anos a criança está na fase da imitação, é uma fase de construção continua e assim seu pensamento se torna mais sólido a cada novo conhecimento. A criança se interessa por jogos de caráter simbólico, trabalha-se com regras permitindo a ela aprender a resolver conflitos e o educador incentiva a compreender o mundo adulto de forma objetiva.

O lúdico é tão importante na vida da criança de cinco anos, possibilita desenvolver habilidades, a imaginação, comparar o real com a imaginação.

Nesta fase de cinco anos, o educador deve estar bem preparado para receber estas crianças, pois ela aprende muito rápido, através dos brinquedos, dos jogos, das brindarias e é neste momento que podemos ajudar a criança no seu desenvolvimento.

A educação lúdica possibilita as crianças de cinco anos brincadeiras livres que desenvolve várias habilidades no ato do brincar e assim adquire conhecimentos na elaboração do pensamento individual. E ainda, ao educar com brincadeiras lúdicas elas desenvolvem inúmeras funções como cognitiva e sociais.

A criança na fase de seis anos deve apresentar vocabulário amplo, conversar mais, falar o que pensa fazer mais perguntas e estabelecer uma boa conversação com outras pessoas. Nessa fase, ela geralmente se move com agilidade e flexibilidade, que demonstra não só o caminhar e correr, como desenhar, recortar e rasgar papéis. É nesta faixa etária que se inicia o preparo para saída da Educação Infantil e o início da vida escolar no ensino fundamental, então os pais e educadores tem o dever de orientar a criança nesta etapa de pleno desenvolvimento, cuidando da saúde e alimentação além de estimular seu aprendizado.

A Magia do Lúdico na Rotina

A infância é o tempo de explorar o mundo de descobrir as coisas de forma lúdica. Quando as crianças não brincam deixam de vivenciar algo importante na sua infância. Além do que, ao brincar, a criança desenvolve a inteligência e o raciocínio lógico, estimula a criatividade, melhora a coordenação motora, alivia tensões, favorece a socialização, aprende a lidar com as frustações, melhora o aprendizado, desenvolvendo habilidades cognitivas, aprende valores, torna claro suas facilidades e dificuldades e fortalece os vínculos afetivos.

É essencial que a criança brinque para desenvolver o seu desenvolvimento, assim como comer e dormir. Os pais tem uma excelente oportunidade para estabelecer um vinculo maior com os filhos, ensiná-los a respeitas regras, solidificar valores, lidar com perdas e ganhos e viver com eles uma relação de confiança, afeto e cumplicidade.

Uma das considerações relevantes ao uso de jogos e brincadeiras na Educação Infantil diz respeito ao papel do professor. É fundamental que o profissional, ao propor brincadeiras, considere a criança como um ser integral em desenvolvimento e esforça-se para oferecer amplas e diversificadas oportunidades para que esse processo ocorra (MELHADO, 2001 p. ). Sem referência e sem página

 Ao educador, cabe conhecer suas crianças, escolher as atividades interessantes para essa faixa etária. É preciso escolher materiais que trazem atividades lúdicas desafiadoras para aguçar o interesse pela brincadeira e jogos.

O educador deve ser criativo, levando infinidades de materiais diferentes como: garrafas, pneus, fitas, canos de vassouras, potes, chocalhos, panos, entre outros. Com esses materiais o educador deve proporcionar aos alunos momentos de criatividade, curiosidade, magia e ludicidade.

É interessante também, que o educador ofereça espaços  e tempo livres para que as crianças possam brincar e explorar, observando-as conseguirá conhecer as necessidades e seus interesses, fazendo assim, o educador repensar e adequar as suas propostas de atividades buscando a integração entre elas.

Na Educação Infantil, existe uma rotina para um melhor funcionamento e organização na qual as crianças e educadores devem seguir como: chegada, filme, lanche, higienização, atividade dirigida, o repouso, mas os momentos livres também devem aparecer na rotina, pois são importante para o desenvolvimento e das habilidades das crianças.

Para Loizos (1969, p. 275): Sem referência

“Longe de ser uma atividade supérflua, para o “tempo livre” […] o brincar, em certos estágios iniciais cruciais, pode ser necessário para a ocorrência e o sucesso de toda a atividade social posterior.” 

Na Educação Infantil a criança aprende através do brincar, por isso a importância da prática pedagógica caminhar junto com as brincadeiras.

Ao brincar a criança compara, experimenta, vivencia, estabelece relações lógicas e faz as estimativas e desenvolve suas percepções. Na brincadeira de jogos a criança conhece o mundo e amplia o conhecimento da sua cultura.

Ao buscarmos o conceito de “brincadeiras” no dicionário Michaelis, encontramos a definição “ação de brincar, brinquedo, folgança”. Com essas palavras, já é possível compreendermos a vinculação da brincadeira com o lúdico (VALLE, 2011).

A brincadeira permite experiências de afeto, além de funcionar como estimulo para a linguagem e outras funções cognitivas, desenvolvendo também a motricidade. Através da brincadeira que a criança entra em contato com o mundo, desde bem pequena; de criar, inventar, e interagir com outras crianças e pessoas do seu relacionamento.

Atualmente as crianças entendem por brincadeiras os jogos eletrônicos, deixando assim as mesmas estáticas e com isso ficando sedentárias e obesas. Com as brincadeiras tradicionais, como, por exemplo, pular no pula pula, pular corda, elástico, etc., fazem com que as crianças se movimentam mais, gastando energia e proporcionando momentos de alegria e prazer, podemos ainda incluir as brincadeiras folclóricas, que tem como característica a oralidade, onde passa de geração em geração onde muitas vezes não permanecem iguais, essas brincadeiras tem como objetivo desenvolver de forma de convivência social e aquilo que é importante para todas as crianças: o prazer de brincar.

 

Camila Braga barcelos

Harmonia - RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *