Educação Social: Educadores, Projetos e sua Visibilidade no Brasil

O crescimento expressivo do capitalismo acentuado faz com que a desigualdade social produza efeitos sociais que corroem os indivíduos, estabelecendo contradições entre a atualidade e a realidade da população, que infelizmente em sua maioria, não acompanham essas mudanças, quais tem reflexos na renda e vem atingindo famílias, indivíduos excluídos e, principalmente, os jovens. São eles quem tem mais presenciado o aumento da pobreza, a precariedade em todos os sentidos, seja estrutural, alimentar, emocional ou outros. Tudo isso tem colaborado para que esses jovens procurem auxílio para melhores condições de existência.

Dentro desse cenário, essas crianças e adolescentes necessitam de projetos que atuem em áreas de educação, cultura, esportes, segurança, saúde, lazer, etc… nos dias de hoje, essas são perspectivas de vida para jovens e crianças, que estão excluídos desses e de qualquer benefício.

A profissão de um Educador Social é marcada por alguma “ambiguidade no que diz respeito à afirmação de uma identidade profissional” consolidada (Carvalho & Baptista, 2004, p. 83), tornando-se essencial se espelhar em um conjunto de estratégias que mostrem uma intervenção correta e proficiente, que sustente a construção da identidade profissional e das formas como deve atuar. Toda intervenção tem que ter um objetivo a ser alcançado, seja em grupo ou individual. A Educação Social está ligada ao desenvolvimento psicológico e social do indivíduo, sendo capaz de oferecê-lo um amadurecimento social, bem-estar, qualidade de vida e melhor interação com a sociedade.

O que são projetos sociais?

Projetos são ferramentas de ação que delimitam intervenções quanto metas, objetivos, avaliação, prazos, etc. Diferente disso, Projetos Sociais são formas de organizar ações transformadoras de realidade social ou de alguma instituição. Sendo assim, o Projeto Social é um conjunto de atividades feitas em um espaço de tempo determinado, realizadas em grupos destinadas a produzir resultados únicos.

Estes projetos buscam trazer uma contribuição real para determinada comunidade, causa social ou público-alvo. O projeto pe uma iniciativa com início e fim, necessita de recursos para alcanças resultados. Podemos dizer que os Projetos Sociais nascem para dar respostas aos problemas que são responsáveis por alterar a realidade de algumas comunidades, promovendo seu desenvolvimento.

Um projeto surge em resposta de um problema, portanto, a elaboração de um projeto é a contribuição para a solução de problemas a partir da transformação de ideias. Assim, podemos definir como características de projetos:

  • são temporários, possuindo um início e um f im definidos;

  • são planejados, executado e contro lado;

  • entregam produtos, s erviços ou resultados exclusivos;

  • são desenvolvidos em etapas e continuam por incremento com um a elaboração progressiva;

  • são realizados por pessoas e;

  • contam com recursos limitados

Nesse sentido, um bom projeto social deve ter:

  • Mérito: Importância para a sociedade;

  • Impacto: Provoca mudanças na sociedade;

  • Ressonância: Pode ser replicado.

Exemplos de Projetos Sociais que Transformam Vidas

  1. Integração com as Escola

Quando é falado da transformação na vida de crianças e adolescentes logo imaginamos a educação como uma das bases mais importantes para o desenvolvimento para que eles consigam enxergar esse futuro melhor e com mais oportunidades que os projetos sociais podem ajudá-los a conseguir

       2.Segundo o último dado do IDEB, órgão que mede a qualidade do ensino, dos 10,3 milhões de jovens no Brasil entre 15 e 17 anos, cerca dde 2,8 milhões deixam as escolas todos os anos. Entre os principais motivos por esse deficit, podemos ver:

  • acesso limitado ás escolas públicas;

  • necessidades especiais;

  • comércio ilegal;

  • maternidade precoce;

  • pobreza;

  • violência;

  • desmotivação.

Com isso, o apoio a projetos que visem integrar os jovens, escolas e famílias é uma maneira de mostrar um novo horizonte para essas crianças e jovens em situação de vulnerabilidade, para assim conseguirem um futuro mais digno.

Projetos deste tipo tem o objetivo de transformar a escola, e o seu arredor, em um espaço de interação, não apenas da escola, mas sim de toda a comunidade. Assim, a comunidade pará a vê-la com um agente de transformação e um patrimônio que deve ser cuidado e bem administrado.

Prevenção ao Trabalho Infantil

Ainda hoje, mesmo com novas leis que resguardam o direitos de menores de idade não trabalharem, existem muitas crianças que largam a escola para ajudar no sustento de suas famílias.

Segundo dados da Rede Peteca de combate ao trabalho infantil, o Brasil possui mais de 2,6 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos trabalhando.

A ONG ChildFund Brasil é um dos exemplos que atuam nessa área. Eles contam com vários projetos ligados à tecnologias sociais que contribuem para novas metodologias para melhorar a vida dessas crianças. Dentre esses projetos, a ChildFund conta com:

  • oficinas e debates sobre cidadania, diversidade, direitos e deveres para aguçar a perspectiva de mundo dos jovens no projeto Olhares em Foco;

  • terapia comunitária;

  • utilização dos esportes para resgatar os jovens e adolescentes em maior risco social no projeto Luta Pela Paz;

  • o projeto Água Pura para Crianças busca levar água potável para comunidades rurais que passam por dificuldades;

  • para superar a pobreza extrema das comunidades, o projeto Gold + tecnologia voltada para a educação financeira, onde o adultos e familiares podem ser beneficiados.

Educadores Sociais

O estudo relacionada à educação social surgiu na Alemanha por volta dos anos de 1840, no contexto da Primeira Guerra Mundial, sendo marcada por uma crise social. Foi nesse período que foram estabelecidas políticas de atendimento às necessidades sociais, prevendo uma melhoria na qualidade de vida do povo, possibilitando o desenvolvimento do ser humano desde a infância até a velhice (NETO, 2009)

Já no Brasil, a Pedagogia Social começou a ter maior visibilidade na década de 60, com Paulo Freire ( 1921 – 1997), que defendia teorias da educação popular, inserindo a educação em seu contexto, trazendo reflexões da sociedade. Nessa visão, MACHADO (2008) define a Pedagogia Social como “Ciência Pedagógica, da inadaptação social” defendendo uma educação para a igualdade e liberdade de todos.

Petrus et al. (2003) descreve que o educador social possui funções como: oferecer apoio a comunidade com informações, orientações e prevenções, levando os sujeitos a entenderem quais são seus direitos e deveres. Ele enfatiza que é comum esse profissional ser multitarefa, mostrando funções elaboradas, projetos educativos, supervisionando e avaliando seus objetivos.

Libâneo (1990, p. 222) define planejamento como:

“um processo de racionalização, organização e coordenação da ação docente”.

Sendo assim, é claro enxergar que o educador social tem grandes funções dentro das instituições. O planejamento socioeducativo deve ser voltado parar as classes necessitadas e indivíduos à margem da sociedade, como crianças e jovens.

Visibilidade de Projetos Sociais no Brasil

Em uma pesquisa feita para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), com 3 mil pessoas por vária cidades do Brasil, 73% dos entrevistados , cerca de 2.190 pessoas, não se sentem estimulados e motivados a realizarem doações ou em serem voluntários. Entre os fatores para não doarem é a falta de dinheiro, falta de informação e ausência de confiança nas organizações.

De acordo com a diretora do IDIS, as classes A e B destinam seus recursos, preferencialmente, para ONGs ou outras instituições sem fins lucrativos. Enquanto as classes mais baixas doam para moradores de rua e instituições religiosas.

Um estudo britânico “World Giving Index – Uma visão global das tendências de doação” mostrou que o Brasil ocupa o 91º lugar entre as nações que fazem mais doações. Mostrando o brasileiro sendo pouco generoso quando se trata de organizações sociais.

Conclusão

Ao final deste trabalho entende-se os processos que ao longo das décadas transformaram e fizeram com que os projetos sociais se tornassem uma ferramenta na mão de educadores que veem como essa implementação pode ser resultante de ao positivo, tanto para um único indicíduo, para a comunidade ou para a população em geral.

Conhecer a realidade histórica e cultural do educando é essencial no trabalho de qualquer educador, mas quando se trata de um educador social é algo nem um detalhe pode passar despercebido, pois, assim como um assistente social, ele deve um pesquisador.. Assim, seus métodos se concretizaram.

Na mesma direção do assistente social, o educador social também deve ter um olhar coletivo, mediando propostas institucionais, a realidade em que está atuando e políticas a serem seguidas.

Sua ação educativa é composta por múltiplos fatores e contradições, em meio aos cenários que necessitam com urgência das metodologias, políticas a atuação deste profissional e sua equipe.

Referências

CARVALHO, A. D. de; BAPTISTA, I. Educação social: fundamentos e estratégias. Portugal-Porto: Porto Editora, 2004.

NETTO, José Paulo. A Construção do Projeto Ético-Político do Serviço Social. In: MOTA, Ana Elizabete et al (Orgs.). Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009

MACHADO (2008) define a Pedagogia Social como “Ciência Pedagógica, da inadaptação social” defendendo uma educação para a igualdade e liberdade de todos.

OS âmbitos da Educação Social. In: ROMANS, Mercé; PETRUS, Antoni.; TRILLA, Jaume. Profissão: educador social. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed,2003

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1990.

Izabella Rocha Sobral

CATAGUASES - MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *