Formação de Leitores

Na vida cotidiana, deparamo-nos com o caminho  da leitura motivados por situações de necessidade, prazer, obrigações,  divertimentos, ou para passar o tempo. E podemos afirmar  então que, a leitura  é  fundamental para a construção de conhecimentos e para o desenvolvimento intelectual, ético e estético do ser humano. 

A tecnologia avançou e não  podemos esperar leitores como aqueles do século  XX. Devemos mudar a maneira de ver a necessidade dos novos leitores de múltiplos códigos e mais competentes com a nova tecnologia, do que nós mesmos.

A Importância da Literatura Infantil

Estudar  a literatura produzida  para crianças e jovens  não  é  tarefa  fácil, e  menos fácil  ainda é  trabalhar diretamente com as próprias  crianças,  estar atento ao seu gosto, saber ouvir suas opiniões sobre este ou aquele  livro.  

É  muito importante discutir alguns pontos teóricos sobre o tema   para que possamos  estar mais bem preparados tanto  para a escolha  das obras , como para o convívio  com a criança leitora.

Os livros  que trazem  a literatura devem estar sempre presentes na vida das crianças.  A boa literatura facilita  o desenvolvimento da inteligência,  interação e é  fonte de divertimento e prazer.  

A literatura  infantil  pode, para muitos , parecer brincadeira,  mas na realidade é  o marco inicial  de uma cultura,  E por isso, é  fundamental fazer parte da prática pedagógica  do professor nas séries iniciais. 

O leitor se constrói  ao longo da vida  mas para isso, é  necessário  que se desenvolvam práticas  leitoras e educativas, críticas literárias  e poéticas que tragam as memórias  afetivas e que os indivíduos  se reconheçam  nessa leitura,  evocando  liberdade  e autonomia.  

Desafios da formação de leitores na escola 

A experiência mostra que não basta oferecer mais livros aos alunos, afirma Denise Guilherme, formadora do programa Ler e Escrever, da Secretaria de Estado de Educação de São Paulo. Neste artigo, ela lembra que é preciso escolher bons livros literários, garantir a diversidade de gêneros e levar em conta as preferências das crianças e dos adolescentes 

É na escola que grande parte dos alunos terá o seu primeiro contato e, em muitos casos, o único com a literatura. Daí a importância de garantir que essa aproximação seja feita por meio de livros da mais alta qualidade. Segundo escreve Eliana Passarán, no livro   O papel do editor na promoção da leitura, o primeiro critério que deve guiar a escolha de um livro é o literário. Para ela, a literatura para crianças e jovens não é um gênero menor. Por isso, nas obras oferecidas a esse público, é preciso haver um trabalho reflexivo de construção do texto, da estrutura, da linguagem, revelando uma intenção estética clara. 

É comum que professores, especialmente aqueles que trabalham com as séries iniciais, façam a opção de escolher textos curtos ou adaptações sofríveis de clássicos com poucas páginas, justificando-se na concepção de que seus alunos não seriam capazes de compreender obras maiores e mais complexas. Também se apoia nessa visão a prática comum de substituir, durante a leitura em voz alta, termos considerados difíceis por sinônimos conhecidos das crianças. Essas duas posturas apresentam equívocos, pois um leitor não aproveita melhor um livro porque é longo ou curto, mas sim porque "pode acompanhar a história com facilidade, porque ela responde aos seus gostos, porque é capaz de compreender seus significados e apropriar-se deles, porque, através da leitura experimenta um prazer estético, sensorial, intelectual", escreve Passarán. Além disso, o processo de compreensão leitora dos textos se dá a partir do seu todo e não de suas partes. Por isso, é possível apreender o sentido de uma história mesmo sem conhecer o significado de algumas de suas palavras. Quase sempre, o entendimento do que está sendo dito é dado pelo contexto. 

Quando questionados sobre o que orienta a escolha das obras que leem para seus alunos, alguns educadores justificam sua seleção com base em critérios puramente didáticos ou moralistas, dizendo "essa história é boa porque ensina isso" ou "esse livro é ótimo, pois com eles as crianças aprendem que devem ou não se comportar de tal maneira". Bons livros literários não são escritos para ensinar alguma coisa. O leitor pode até aprender algo com eles, mas essa não deve ser a principal justificativa para a existência de uma obra. Por isso, professores e mediadores de leitura devem atentar à forma como alguns temas são tratados nos livros, evitando abordagens moralistas, didáticas, previsíveis, maniqueístas, paternalistas, simplistas ou estereotipadas que subestimam a inteligência dos leitores e lhes ofereçam uma visão limitada da experiência humana. É preciso garantir que os alunos tenham acesso a diferentes conteúdos, abordagens e pontos de vista para que "se reafirmem ou se confrontem e procurem outros livros em busca de novas premissas e dúvidas, de outros interesses" . 

Para que um bom texto literário esteja a serviço do ensino da leitura na escola, é preciso promover o seu encontro com o leitor. E esse encontro, em um primeiro momento, se estabelece nas relações entre a obra em questão, o leitor e suas experiências leitoras (sua biografia leitora, os procedimentos e comportamentos leitores que possui e seu contexto social e cultural, entre outros) em um esforço que demanda tempo, frequência e situações didáticas criteriosamente planejadas para promover a construção de sentidos em torno do texto a ser lido. 

É preciso, antes de tudo, lembrar que ler exige vontade, tempo, solidão, concentração e coloca em jogo habilidades específicas. E por isso, se quisermos formar leitores, faz-se necessário dedicar espaço nas aulas para a prática da leitura individual, em atividades que deem sentido às leituras escolares, promovendo o estudo e a análise das obras lidas, ajudando os alunos a estabelecer relações com seu contexto de produção e com outros livros, desenvolvendo projetos que relacionem o trabalho com leitura a projetos de escrita em torno do literário etc. Dessa forma, crianças e jovens poderão, a partir dessas aprendizagens, tornar-se, pouco a pouco, capazes de transferir os conhecimentos adquiridos a todos os textos que venham a ler posteriormente. 

Embora tenhamos clareza da importância da individualidade do ato de ler, sabemos que a melhor maneira de formar leitores é o trabalho com a leitura compartilhada. De acordo com Colomer, no livro Andar entre livros: a leitura literária na escola, "compartilhar obras com outras pessoas é importante porque torna possível beneficiar-se da competência de outros para construir o sentido e obter o prazer de entender mais e melhor os livros. Também porque permite experimentar a literatura em sua dimensão socializadora, fazendo com que a pessoa se sinta parte de uma comunidade de leitores com referências e cumplicidades múltiplas." 

Nas atividades de leitura compartilhada, é preciso que os diferentes leitores explicitem aos demais os caminhos que seguem para compreender um texto, que comuniquem de que maneira utilizam uma informação oferecida pela obra e como estabelecem relações entre ela e seus conhecimentos. Ou seja, não basta dizer o que se entendeu sobre uma determinada obra. É preciso explicitar como se chegou a esse entendimento. Essa socialização das diferentes estratégias de compreensão leitora contribui, entre outras coisas, para ampliar e aprofundar a compreensão e também aumenta o repertório de procedimentos leitores dos alunos, pois descobrem os muitos caminhos que podem escolher para entender um texto. Além disso, quando apresentam seus argumentos sobre as opiniões emitidas pelos colegas, justificando-se a partir da própria obra em discussão e de suas outras leituras, os alunos podem exercitar o pensamento crítico, eliminando as incoerências e contradições de suas próprias interpretações. 

Referência

Denise Guilherme, formadora  do programa Ler e Escrever,  da Secretaria de Estado de Educação de São Paulo. Publicado em Nova Escola, 2013.  https://novaescola.org.com.br/conteudo/573/desafios-da-formacao-de-leitores-na-escola

Maria Silvani Fernandes

Várzea Alegre - CE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *