Serviço Social: Atuação Geral, Desafios e Atuação na Escola

Este trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho de um Assistente Social, mostrar seus desafios e sintetizar sua atuação dentro de uma instituição escolar. Assumindo em seu trabalho postura e ações investigativas sobre a sociedade, levando em conta aspectos sociais, econômicos e políticos e as condicionantes do modo capitalista de produção. É importante lembrar, que dentro de sua atuação de trabalho o assistente faz leituras críticas da sociedade em vários aspectos sociais, dos quais os profissionais estão inseridos.

Inserido nas Ciências Sociais Aplicadas, profissão de valores e ética, reconhecimento sócio-histórico frente a questão social. É necessário entender que a questão social , no Brasil,é um problema causado, principalmente, pela concentração de renda, tornando mais grave as desigualdades políticas, econômicas e culturais entre as classes.

A forma de trabalho do Assistente Social não trata o ser humana de forma individualizada, isolada do contexto, pelo contrário, acredita na importância e reconhece a influência de cada pessoa sobre outra.

Palavras chave: serviço social, escola, diversidade e sociedade.

O Que é e o Que Faz

Dentre seus objetivos estão ações que consistem em promover o desenvolvimento, a mudança e a coesão social dentro das desigualdades formadas na sociedade, através de intervenções em pontos-chave para que estas situações possam se modificadas.

A profissão do serviço social então busca relacionar as pessoas com as estruturas sociais para responder aos desafios da vida e à melhoria do bem-estar social. Além de, também se basearem nos princípios dos direitos humanos, da assistência social, da responsabilidade coletiva e do respeito pela diversidade.

O profissional que atua nesta área é chamado de assistente social, sendo ele o responsável por realizar o planejamento e execução de políticas públicas e programas sociais que promovam o bem-estar coletivo e a integração do indivíduo na sociedade. Logo identificamos definições que remetem à Iamamoto (2003, p.22) e enfatizam que o Serviço Social é “uma profissão particular inscrita na divisão social e técnica do trabalho coletivo da sociedade”

Ele também pode atuar em questões voltadas para a exclusão social, acompanhando, analisando e propondo ações que melhore as condições de vida dos que passam por estas condições. O assistente social age de forma direta em vários campos e instituições da sociedade, podendo desenvolver atividades nos domínios privados, governamentais e não governamentais, em áreas como:

  • Educação;

  • Saúde;

  • Gênero;

  • Família;

  • Trabalho;

  • Habitação;

  • Assistência;

  • Reabilitação;

  • Sistemas penitenciários;

  • Previdência social

Em sua rotina, os assistentes sociais podem:

  • Realizar estudos e pesquisas para avaliar determinadas realidades sociais

  • Emitir pareceres e relatórios sobre determinada situação social

  • Propor medidas e políticas sociais reparadoras

  • Planejar, elaborar e executar planos, programas e projetos sociais

  • Trabalhar na orientação individual ou de grupos

  • Prestar consultoria a instituições públicas e privadas

  • Assessorar movimentos sociais

  • Identificar recursos e buscar meios que proporcionem o acesso a eles

  • Atuar na carreira acadêmica, pesquisando, orientando ou dando aulas de disciplinas ligadas à assistência social

É de conhecimento de todos que existem grupos mais vulneráveis dento da sociedade. Os exemplos podem ser as crianças, mulheres, homossexuais, pobres, negros, índios, imigrantes em situação de subemprego e outros coletivos que historicamente sofrem as consequências de um sistema econômico-social que os exclui.

O objeto de trabalho do Assistente Social é a questão social. É ela, em suas múltiplas expressões, que provoca a necessidade da ação profissional junto à criança e ao adolescente, ao idoso, a situações de violência contra a mulher, a luta pela terra, etc. Essas expressões da questão social são a matéria prima ou o objeto de trabalho profissional.(IAMAMOTO, 2004, p. 62)

A profissão de Serviço Social vêm construindo respostas aos desafios e às demandas do contexto adverso, buscando instrumentos efetivos no processo de trabalho. Esses são entendidos como “um conjunto de princípios, procedimentos, métodos, técnicas, habilidades e atitudes que adquirem seu sentido, coerência e integração face às finalidades próprias e específicas do Serviço Social”. (CARVALHO, 1977, p. 5).

Características e Desafios da Profissão

Em consonância com a finalidade da profissão, os Assistentes Sociais têm um perfil articulador, acolhedor e propositivo que lhes possibilita participar, muitas vezes, de equipes multidisciplinares, como coordenadores, dirigentes de grupos ou de projetos. O exercício profissional é realizado por meio de atividades de planejamento, de gestão e execução de projetos sociais junto a indivíduos, grupos, comunidades, populações, bem como na formulação, implementação, supervisão e avaliação de planos, programas e projetos sociais.

Do seu início até 1950, a profissão de Serviço Social inseria-se na sociedade, basicamente, a partir das 3 bases que eram; Igreja, sociedade e Estado. Nesse contexto, a questão social era vista como “questão moral”, religiosa ou sob o prisma das classes dominantes do período interessada em ajustar e trabalhador e sua família aos processos de industrialização e urbanização em curso, numa visão dos problemas sociais como “questão política” pública, a ser considerada nos quadros da manutenção da ordem, da paz e da justiça imperantes.

Nas últimas décadas, sobretudo pós conjuntura dos finais da década de 80 e no quadro de um capitalismo globalizado, de revolução tecnológica, de propostas neoliberais em curso e mudanças no mundo do trabalho, analisadas atrás, em que a questão social mundializa-se, adquire novos contornos e significados locais, nacionais e mundiais, cresce a exigência ética, técnica e política dos profissionais lutarem e se posicionarem na direção de compreender a complexidade da questão social tanto em seus aspectos mais globais quanto em seus aspectos mais específicos dos cotidianos profissionais. Compreender e atuar sobre a questão social na ótica dos movimentos que almejam cidadania, direitos, justiça, democracia amplos em direção a novos modos de viver e conceber o Estado, a sociedade, as relações entre os grupos e classes sociais é uma exigência que se impõe.

Nesse processo os limites são impostos e os desafios são rotineiros. Para isso, é necessário que o Assistente Social seja ousado, tenha coragem de resistir e vencer os desafios. Que seja portador de esperanças e sonhos, tendo coragem e motivação para lutar contra os imobilismos reinantes nas várias esferas da sociedade.

 

“É na tensão entre produção da desigualdade e produção da resistência e rebeldia que trabalham os assistentes sociais” (IAMAMOTO, 1988, p.28).

 

Defendemos a necessidade de aperfeiçoamento de nossa capacidade operativa e a importância de conhecer a realidade para intervir, mas, talvez, nosso olhar ainda esteja na superficialidade dos fatos, como afirma Setúbal (1995, p. 15) e estejamos nos esquecendo de que o “aparente é apenas uma nuança do real e que esse real para ser compreendido requer que se mergulhe nele de forma incessante e profunda”.

Serviço Social na Escola

O assistente social desempenha um importante papel dentro da estruturação do projeto pedagógico e escolar, as suas atribuições dentro do ambiente pedagógico estão relacionadas à orientação dos educadores em um programa educacional voltado para o contexto social apresentado na comunidade em questão.

Assim como João Bosco Pinto (1993, p. 39) devemos considerar que “a pesquisa não pode se referir só aos aspectos objetivos da realidade social”. Ela precisa compreender a subjetividade, levando em conta “as representações dos sujeitos que vivem e sofrem essa realidade humana”, já que eles não são apenas aspectos racionais. São também “sujeitos de emoções, sentimentos, valorações, intuições e paixões e a forma como tudo isso é pensado, imaginado, simbolizado.”

É importante que o assistente social trabalhe em parceria com os demais setores da instituição de ensino e esteja atento as ferramentas públicas disponíveis para potencializar o processo de aprendizado. Dentro da escola este profissional pode e deve colaborar coma educação adotando uma prática de inclusão, desenvolvendo atividades de conscientização entre os alunos, mostrando para eles qual é a sua história, como trabalhar em grupo e a importância de respeitar as diferenças, por exemplo.

De maneira geral o assistente desenvolve as seguintes práticas:

  • Colaboração com a gestão e administração da escola.

  • Promover ações ao combatam a evasão escolar.

  • Desenvolver políticas de conscientização de pais relacionados ao contexto socioeconômico e oferecer perspectivas positivas aliadas à educação.

  • Colaborar com o desenvolvimento pessoal dos alunos, dentro e fora das escolas.

  • Participar do aconselhamento psicossocial de pais, alunos e professores sempre que necessário.

  • Propor através do trabalho em conjunto um diagnóstico sócio-médico-educativo eficiente para que consiga diagnosticar com precisão as variáveis que possam comprometer o desenvolvimento dos alunos na instituição.

    O profissional habilitado tem a possibilidade de atuar neste cenário educativo promovendo discussões e debates de diversos assuntos e situações do dia a dia, incluindo ainda em suas atividades pais e alunos. Destacando o combate de alguns problemas sociais como:

  • Baixo rendimento escolar

  • Evasão escolar

  • Desinteresse pelo aprendizado;

  • Problemas com disciplina;

  • Insubordinação a qualquer limite ou regra escolar;

  • Vulnerabilidade às drogas;

  • Atitudes e comportamentos agressivos e violentos

O fato de que, se o Serviço Social se constitui como profissão voltada, essencialmente, para a intervenção, isto não significa que os movimentos do conhecer e intervir não possam estar, continuamente, em sintonia, criando e recriando formas de diálogo. Como destaca Setúbal (1995), por mais incipientes que se apresentem, as ações interventivas,

necessitam do mínimo de informações teóricas, ou seja, de conhecimentos produzidos a partir de pesquisa. Esta por sua vez se enriquece ao dialogar com as experiências sociais, ao mesmo tempo que nutre teoricamente essas experiências. Por isso, percebemos a pesquisa como uma questão central para o debate contemporâneo do Serviço Social, pois embora este se tenha legitimado pela intervenção característica de sua forma de aparecer, de participar no mercado de trabalho, é pela via da pesquisa que o seu avanço se tem verificado, muito embora isso não se constitua prática freqüente nessa área. (Setúbal, 2002, p.14).

Conclusão

Ao final deste trabalho entende-se que o Serviço Social busca contribuir para a transformação e melhoria e toda e qualquer questão social e do todo de sociedade. Para isso, conta com instrumentos de trabalho escolhidos de acordo com suas finalidades e o meio em que o sujeito se encontra. Suas funções são exercidas em diversas áreas, como habitação, educação, saúde, cultural, assistência, etc, executando-o por meio de investigações e pesquisas.

Dentro do exercício da profissão apresenta um olhar e sentimento acolhedor, inclusivo. Deve ter uma crítica leitura da sociedade na realidade atual de dos processos atuais. Compreendendo o movimento histórico nas particularidades de cada um em que irá dar assistência, entendendo o contexto e canalizando as ações individuais e/ou do grupo

Em sua maioria, os assistentes sociais se ocupam da Política de Educação efetivando o direito e permanência de acesso à Educação, contribuindo para a inserção no mundo do trabalho, referenciando-se na formação de sujeitos sociais. Um sujeito ativo em questões culturais, econômicas e políticas.

Como foi estudado e demonstrado no trabalho, ainda existem desafios persistentes que os profissionais da área terão de enfrentar. Dentro de sua ética e profissionalismo, o assistente social que baseia sua profissão na Educação se torna um profissional de extrema importância, fazendo parte de uma equipe interdisciplinar, que segundo as palavras de SANFELICE:

“[…] tornar a educação estatal para o público uma educação efetivamente de interesse público.” (SANFELICE, 2012, p. 07).

Referências

IAMAMOTO, Marilda villela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2003.

IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 2004.

CARVALHO, Maria do Carmo Brant. Serviço Social: uma nova visão teórica. São Paulo: Cortez e Moraes, 1977.

IAMAMOTO, Marilda. O Serviço Social na contemporaneidade. São Paulo: Cortez, 1998.

SETUBAL, Aglair. Pesquisa em Serviço Social: utopia e realidade. São Paulo: Cortez, 1995.

PINTO, João Bosco. Buscando uma metodologia de pesquisa para o Serviço Social: reflexões de um professor de pesquisa à margem dos paradigmas. Cadernos Abess. São Paulo, n.6, set. 1993, p. 29-45.

SETUBAL, Aglair. Pesquisa em Serviço Social: utopia ou realidade. São Paulo: Cortez, 2002.

SANFELICE, J. L. A política educacional brasileira, as contra-reformas do Estado, tendências e projetos em disputa [São Paulo, 31 mar. 2012]. Palestra ministrada no I Encontro Estadual de Serviço Social na Educação.

Izabella Rocha Sobral

CATAGUASES - MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *